Microsoft estuda tecnologia para processamento automático de e-mails

Microsoft estuda tecnologia para processamento automático de e-mails

14/05/2020 0 Por Redacção

Em conjunto com uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, a Microsoft anunciou hoje um sistema que, com recurso a inteligência artificial, permite processar automaticamente e-mails, gerando listas de tarefas a fazer a partir do corpo da mensagem.

A “Smart To-Do” ainda não está disponível para o público geral, e não há garantia que possa estar um dia, nem sobre qual será o meio em que tal possa acontecer, podendo ser em qualquer plataforma de comunicações da Microsoft. Para já, é algo entre uma prova de conceito e um produto finalizado – e com pendor científico, uma vez que a divulgação foi feita em formato de paper.

Funcionamento do sistema “Smart To-Do”, numa visão geral.
(Mukherjee et al., Smart To-Do: Automatic Generation of To-Do Items from Emails. Seattle, EUA, 2020)

Com base em exemplos de “commitments” (compromissos), ou seja, frases em que admitimos que vamos desempenhar determinada tarefa (e eventualmente em determinado prazo), o sistema classifica as frases dos e-mails em “provavelmente é compromisso” ou “provavelmente não é compromisso”, atribuindo-lhes uma probabilidade de serem, realmente, um compromisso. As frases com uma probabilidade acima de um certo valor são interpretadas pelo sistema – afinal, são só frases em inglês – e decompostas numa tarefa e, se existir, num prazo.

O sistema permite processar frases como “vou enviar o relatório para X”, “é preciso fazer Y”, “vamos falando”, e qualquer outra frase aborrecida de um contexto profissional, deduzindo daí uma tarefa e, se possível, um prazo. Essas tarefas e prazos são organizados automaticamente numa lista, poupando algum tempo em termos de planeamento pessoal.

O paper que detalha este sistema pode ser consultado aqui, e será apresentado na Annual Conference of the Association for Computational Linguistics – ACL 2020, que será feita em formato digital no próximo mês. Espera-se que isso possa incentivar a Microsoft a levar este sistema até um produto finalizado.

Se gostou deste artigo, pode acompanhar o TechFive no Google News aqui. Dúvidas ou sugestões? techfive@techfive.pt