Inteligência artificial da NVIDIA gera um clone do Pac-Man

Inteligência artificial da NVIDIA gera um clone do Pac-Man

22/05/2020 0 Por Redacção

Após processar 50.000 horas de vídeos a jogar Pac-Man, uma IA da NVIDIA conseguiu gerar um clone do histórico jogo da Atari. Este sistema criou uma versão totalmente jogável do clássico, mas com algumas limitações: a resolução é apenas de 128×128, e não passa dos 50 frames por segundo.

No entanto, o propósito não era necessariamente de gerar um jogo pronto para full HD e que sincronize a 144Hz… mas sim de perceber qual o estado da arte da rede GameGAN, desenvolvida pela tecnológica americana e que consegue, apenas vendo um jogo a ser jogado, perceber as suas regras. Um pouco como os humanos, portanto.

Demonstração do clone do Pac-Man gerado pela IA da NVIDIA

A NVIDIA juntou quatro computadores, cada um com uma Quadro GV100. A placa é o topo de linha em termos de computação gráfica, com um custo de 9 mil dólares por unidade. Estes computadores, que constituem a tal rede GameGAN, processaram 50.000 horas de Pac-Man, que foi jogado também por outra IA. Sem qualquer conhecimento do código do jogo, e apenas com essas imagens, a IA da NVIDIA conseguiu entender vários pormenores importantes. Partindo daí, criou algo que implementasse as mesmas regras do Pac-Man – ou seja, um clone.

A inteligência artificial não viu qualquer código, apenas processou os vídeos produzidos ao jogar. Ao vê-los, conseguiu aprender as regras, como a velocidade do Pac-Man, movimentos possíveis, a noção das paredes e até os movimentos dos fantasmas

Hector Martinez, representante da NVIDIA, à Ars Technica

A NVIDIA diz que este clone do Pac-Man ficará disponível para o público geral testar durante o verão, havendo curiosidade. Contudo, o foco não é necessariamente o clone em si, mas o que a tecnologia permite fazer. E isso até poderá não ser criar clones de outros jogos, mas sim de os estender. A NVIDIA refere que este tipo de tecnologia pode ser generalizada para gerar personagens e mapas em jogos sandbox, por exemplo. Porém, não podemos esquecer que tudo isto está em fase embrionária – foram precisas 50.000 horas de jogo, e o resultado não foi a coisa mais fiel do mundo… mas é um avanço.

Se gostou deste artigo, pode acompanhar o TechFive no Google News aqui. Dúvidas ou sugestões? techfive@techfive.pt